A pesquisa científica e as tecnologias digitais no processo de ensino-aprendizagem: caminhos para uma metodologia ativa

Authors

DOI:

https://doi.org/10.38087/2595.8801.383

Keywords:

Ensino, Aprendizagem, Metodologias Ativas, Tecnologias Digitais, Pesquisa Científica

Abstract

Introdução: A partir da cultura tecnológica vigente, tornou-se imperativo o uso de metodologias de ensino adequadas à realidade digital em que nos encontramos, tais como as metodologias ativas. Não obstante, o termo metodologia ativa não quer dizer, necessariamente, recurso tecnológico novo. Entendemos esse conceito como prática pedagógica que coloca o aluno como protagonista no ato de aprender. Assim sendo, entendemos a pesquisa científica como metodologia ativa. Assim, neste trabalho, iremos refletir sobre o papel da pesquisa científica e das tecnologias digitais no processo de ensino-aprendizagem, sob o escopo das metodologias ativas. Objetivo: Nosso objetivo geral é responder se a pesquisa científica, aliada às tecnologais digitais, pode ser utilizada como metodologia ativa no processo de ensino-aprendizagem. Os objetivos específicos são: a) discorrer sobre as tecnologias digitais a serviço do processo de ensino-aprendizagem; b) apresentar pressupostos acerca das tecnologias digitais e metodologias ativas; e c) Defender a pesquisa científica como metodologia ativa. Método: O artigo está pautado em pesquisa de natureza básica com abordagem qualitativa, de cunho exploratório-descritivo, com revisão bibliográfica e análise de conteúdo. Resultados: A intersecção da investigação científica, das tecnologias digitais e das metodologias ativas surge como uma abordagem promissora para enriquecer o processo de ensino-aprendizagem. A pesquisa científica permite que alunos e professores aprofundem conhecimentos que estimulam o pensamento crítico e reflexivo. Conclusões: A pesquisa científica pode ser considerada uma metodologia ativa porque por meio dela tanto alunos quanto professores são protagonistas no ato de aprender e de pensar criticamente, a fim de resolver problemas.

References

Adler, M. J., Doren, C. V. (1990). Como ler um livro. Guanabara.

Almeida, M. E. B. de. (2016). Currículo e narrativas digitais em tempos de ubiquidade: criação e integração entre contextos de aprendizagem. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 25, n. 59/2, p. 526–546. DOI: 10.29286/rep.v25i59/2.3833. https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/3833.

Aoun, J. E. (2017). Robot-proof: higher education in the age of artificial intelligence. Cambridge, MA: MIT Press.

Campos, L. F. A. de A., Lastória, L. A. C. N. (2020). Semiformação e inteligência artificial no ensino.

http://dx.doi.org/10.1590/1980-6248-2018-0105.

Coimbra, C. L. (2017). A aula expositiva dialogada em uma perspectiva freiriana. In Ednalva Araujo Leal, Gilberto José Miranda, Silvia Pereira de Castro Casa Nova. (Org.). Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando as técnicas de metodologias ativas de aprendizagem. Atlas.

Demo, P. (1997). Desafios modernos da educação. 6. ed. Vozes.

Faraco, C. A., Tezza, C. (1992). Prática de texto para estudantes universitários. 10. ed. Vozes.

Franco, M.L. (2009). A atividade de aprendizagem: da origem a algumas de suas implicações. Psicol. educ., São Paulo, nº 28, jun. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-697520090001000 11 &lng=pt&nrm=iso.

Gil, A. C. (1996). Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. Atlas.

Gil, A. C. (2009). Didática e metodologia do ensino superior. Atlas.

Libâneo, J.C. (2013). Didática. 2. ed. Cortez.

Moran, J. (2019). Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. https://edisciplinas.usp.br/mod/url/view.php?id=2474622.

Morin, E. (2001). Os sete saberes necessários à educação do futuro. Cortez.

Nganga, C. S. N., Miranda, G. J. (2017). Ensino e pesquisa: duas faces de uma mesma moeda. In Ednalva Araujo Leal, Gilberto José Miranda, Silvia Pereira de Castro Casa Nova. (Org.). Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando as técnicas de metodologias ativas de aprendizagem. Atlas.

Pereira, A. B. G. (2020). Novas tecnologias: recursos para uma escrita cognitiva. https://revista.cognitioniss.org/index.php/cogn/ article/view/47. Unilogos.

Santaella, L. (2013). Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. Paulus.

Santos, E. (2019). Pesquisa-formação na cibercultura. Edufpi.

Sertillanges, A.D. (2015). A vida intelectual – seu espírito, suas condições, seus métodos. É Realizações.

Silva, R. (2008). Modalidades e etapas da pesquisa e do trabalho científico. USJ.

Valente, J. A., Almeida, M. E. B. de, & Geraldini, A. F. S. (2017). Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, 17(52), 455–478.

https://doi.org/10.7213/1981-416X.17.052.DS07.

Nota

Artigo Integrante do Núcleo de Pesquisas Aplicadas em Gestão, Secretariado Executivo e Economia NPGESSEC (CNPq) –Universidade Federal do Amapá & Logos University International (UniLogos).

Link: https://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/42248

Published

2024-05-27

Issue

Section

Articles